Softskills: competências comportamentais

Softskills: competências comportamentais

Num mercado de trabalho competitivo como o atual, as softskills, também chamadas de habilidades comportamentais, têm sido mais valorizadas pelos recrutadores. Obviamente, as aptidões e conhecimentos técnicos têm grande relevância nos currículos, mas o que faz a diferença na hora de agregar valor à empresa é o conjunto de competências comportamentais que o candidato possui. Entenda melhor o conceito de softskills e de que maneira elas se apresentam no dia a dia profissional.
 

Softskills x Hardskills

 
Antes de qualquer coisa, preciso explicar a diferença entre as softskills e as hardskills. Conceitualmente, as hardskills se referem às habilidades técnicas de um indivíduo, aquelas que podem ser apreendidas na escola. Entram nessa categoria habilidades que podem ser aprendidas desde que se dedique algum tempo ao seu estudo como, por exemplo, um idioma, boa interpretação de texto, boa digitação, conhecimento de um software, entre outras.
 
Certamente são habilidades essenciais para que um profissional apresente bom desempenho de suas tarefas na empresa, contudo, não são suficientes para muitos recrutadores. Nesse ponto entram as softskills, habilidades comportamentais, que se mostram mais subjetivas, porém, bastante pertinentes. Nessa categoria estão capacidades, como manter bom relacionamento com os colegas, ter inteligência emocional e, até mesmo, atitude positiva de autoconfiança.
 

Habilidades Comportamentais – As Softskills no Trabalho

 
Uma pesquisa realizada por uma empresa norte-americana identificou que para 77% dos recrutadores entrevistados é essencial ter acesso as softskills dos candidatos, isto é, conhecer as competências comportamentais dos possíveis contratados durante a entrevista de trabalho. Para cerca de 16% dos entrevistados, as habilidades interpessoais são mais importantes que as habilidades técnicas, uma vez que as últimas podem ser aprendidas em cursos.
 
Durante o processo de seleção de novos funcionários, as empresas buscam profissionais qualificados e humanos com inteligência emocional. Não adianta muito ter o melhor profissional de uma categoria se ele não consegue se relacionar com os outros profissionais que são essenciais para que a empresa avance no mercado. Num mundo globalizado, não existe mais espaço para pessoas que desejam trabalhar individualmente, é fundamental saber desenvolver um bom trabalho em equipe.
 

O Que os Recrutadores Esperam em Termos de Capacidades Comportamentais?

 
O recrutador espera encontrar os profissionais mais comprometidos com a realização de suas tarefas, assim como pessoas que consigam estabelecer e manter um bom clima organizacional. Saber gerir as emoções no ambiente de trabalho é uma forma de evitar conflitos desnecessários que tirem o foco dos objetivos.
 
Quanto mais habilidades comportamentais uma pessoa tem para identificar e resolver uma situação problema, melhor qualificada para uma função dentro de uma empresa ela está. Contudo, não basta inundar o seu currículo com palavras vazias sobre possíveis habilidades que você possua. A melhor forma de apresentar as suas softskills para o entrevistador é por meio de exemplos de situações concretas em que essas habilidades foram imprescindíveis.
 
Se a principal habilidade interpessoal que você alega ter é a negociação, exemplifique durante a entrevista com uma situação em que essa capacidade ajudou a resolver um problema. Não existem certificados para as softskills e, por isso mesmo, demonstrá-las ao recrutador já é uma prova de fogo de possuí-las.
 

Quais São as Softskills Mais Valorizadas no Mercado de Trabalho?

 
Tendo conhecido o conceito de softskills, você deve estar se perguntando quais são as habilidades dessa categoria mais valorizadas pelos recrutadores. Listei abaixo aquelas que demonstram melhor caráter e aptidão dos candidatos.
 
Ética no trabalho: Pessoas com comportamento ético no trabalho têm um relacionamento melhor com os colegas e se preocupam com os resultados sem colocar suas ambições profissionais na frente.
 
Atitude de autoconfiança: A autoconfiança não tem nada a ver com arrogância, o indivíduo que sabe de suas capacidades e as valoriza tem mais chances de assumir a responsabilidade em projetos importantes para a empresa, bem como contagia os demais colegas.
 
Capacidade de trabalho em equipe: Essa é, com certeza, uma das softskills mais valorizadas do mercado, porque as empresas entendem que perfis individualistas prejudicam o bom andamento dos projetos. Os profissionais precisam ter boa comunicação entre si para que possam trocar experiências, informações e ideias.
 
Capacidade de trabalhar sob pressão: O imediatismo que a internet e as redes sociais trouxeram para as nossas vidas tornaram a rotina de trabalho mais pesada para boa parte dos profissionais. Saber viver com a pressão e, ainda assim, desenvolver bem seu trabalho é um grande diferencial.
 
Organização: Uma das características pessoais que mais contribui para uma rotina profissional mais tranquila é a capacidade de organização, tanto no que se refere ao espaço físico de trabalho como a lista de prioridades.
 
Flexibilidade: Durante muito tempo, os profissionais se prepararam para realizar uma determinada tarefa ao chegar ao mercado de trabalho. Contudo, com as mudanças no universo corporativo, se mostra cada vez mais premente que os profissionais consigam se estabelecer em diferentes posições dentro das empresas. A flexibilidade, tanto em termos de capacidades técnicas como de capacidades emocionais, pode ser essencial para a permanência num trabalho.
 
Qual é a softskill que você mais valoriza ao contratar um funcionário? Deixe a sua opinião nos comentários abaixo!