Saiba quais são os encargos sociais das empresas

Saiba quais são os encargos sociais das empresas

Como toda empresa é feita de pessoas, para que os resultados sejam plenamente alcançados, é muito importante tanto que suas responsabilidades sejam exigidas e cumpridas e que seus direitos também sejam respeitados e honrados. Tudo isso impacta diretamente na qualidade de vida do colaborador e no rendimento do seu serviço dentro da organização. Neste sentido, outro ponto essencial é o pagamento dos encargos sociais, aqueles que garantem ao trabalhador alguns dos seus direitos previstos em lei e que são fundamentais.
 

Mas o que são os encargos sociais?

 
Independente de quais são variáveis que incentivam um funcionário a ficar ou não em seu negócio, a empresa deve estar preparada para arcar com os custos trabalhistas que cada colaborador traz ao empreendimento, tanto se ele ficar trabalhando como se ele decidir se desligar da organização de um dia pra outro. Então, esclarecendo, os encargos sociais são todas as despesas obrigatórias que as organizações têm em relação aos seus funcionários e que estão definidas nas leis de trabalho.
 
Sendo assim, os encargos sociais compreendem também todos os custos que a empresa tem com o colaborador no período de trabalho prestado por ele em relação ao INSS, FGTS, PIS/PASEP, Salário Educação, GILRAT e contribuições para sistema S; que veremos mais à frente no decorrer deste texto.
 

Por que a rotatividade é algo negativo?

 
O alto nível de rotatividade nas empresas representa, consequentemente, o aumento no volume de encargos sociais e trabalhistas pagos pelo empreendedor. Por isso, toda vez que um colaborador sai da organização, isso significa uma despesa a mais no orçamento mensal do empreendedor, que precisa estar preparado para isso.
 
Quanto mais tempo o funcionário permanece na organização, menor é o custo a se disponibilizar toda vez que o processo de desligamento acontece. Afinal, não estamos falando aqui somente da rescisão, mas também da liberação de FGTS, INSS e ainda de todos os custos que se tem com novos treinamentos, novas contratações e adaptações dentro da empresa.
 

Como as empresas podem lidar com isso?

 
Cada organização tem sua forma de organizar sua prestação de contas dos encargos sociais. Saiba que isso afeta diretamente sua gestão humana e financeira, e dependendo do modo como é feita, pode impactar tanto positiva quanto negativamente o negócio. Veja alguns exemplos de como as empresas agem:
 
● Que pagam tudo durante o mês: quando se organizam para as pessoas já receberem seus direitos junto com os salários da empresa;
 
● Que protelam as datas: quando, por exemplo, deixam para apagar as férias quase quando o limite por lei está vencendo;
 
● Que recrutam com qualidade: quando a empresa tem, um processo de busca por profissionais, muito rigoroso e, por isso, quando o novo funcionário é escolhido, ele é muito competente no que faz e também pretende crescer na empresa;
 
● Que promovem ações de lazer: quando empresas sabem que devem investir num clima organizacional saudável e assim, incentivam atividades de integração e ambiente de trabalho favorável ao rendimento;
 
● Que pagam as férias logo depois do prazo: quando os 365 dias de trabalham fecham, a empresa já disponibiliza o valor das férias imediatamente, mesmo se o funcionário não gozar delas no momento;
 

Desmistificando os encargos sociais

 
Para entender melhor quais são todos esses valores a serem pagos, aqui vamos organizar para você, empreendedor, de forma clara e simples o que é imprescindível que esteja programado nos gastos com o seu funcionário em se tratando de encargos sociais:
 
● Instituto Nacional de Seguro Social – INSS: diz respeito ao pagamento da aposentadoria do funcionário. Isso garante que o colaborador tenha o mínimo de anos necessário para conseguir se aposentar e resgatar o valor da contribuição no formato de salário;
 
● Fundo de Garantia por Tempo de Serviço – FGTS: essa é uma contribuição feita pela empresa e sem descontar do salário do colaborador. Funciona como um depósito mensal que ajuda esse empregado a se manter caso venha a ser desligado da empresa. Nessa hipótese esse valor pode ser sacado.
 
● Programa de Integração Social e Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público – PIS/PASEP: são valores que ajudam o governo a ter sempre em dia valores para eventuais abonos e seguros-desemprego;
 
● Grau de Incidência de Incapacidade Laborativa Decorrente dos Riscos Ambientais do Trabalho – GILRAT: se algum acidente de trabalho acontece e o funcionário fica impossibilitado, a empresa é obrigada a prestar assistência com um valor de contribuição que equivale ao seu salário.
 
Por fim, quando o empreendedor tem em mente todas essas variáveis que podem vir a acontecer no seu mês de trabalho, como a de funcionários se desligarem da empresa, do período de férias de alguém estar vencendo e assim por diante, fica mais fácil de controlar seu orçamento e manter os direitos trabalhistas de seus funcionários sempre em dia e também fazer um controle saudável de suas finanças. Lembre-se disso e faça uma boa gestão dos encargos sociais da sua empresa.
 
Gostou de saber mais sobre os tipos de encargos sociais? Como sua empresa gerencia estas responsabilidades? Comente, deixe sua opinião abaixo e aproveite e compartilhe meu artigo em suas redes sociais.