Conheça a diferença entre o Profissional Júnior, Pleno e Sênior

Conheça a diferença entre o Profissional Júnior, Pleno e Sênior

É bem provável que você já tenha visto em anúncios de emprego denominações como júnior, pleno e sênior. As vagas costumam aparecer assim: Desenvolvedor de Sistemas Júnior ou Analista de Marketing Pleno, ou, ainda, acompanhados das siglas JR, PL, SR. Essas nomenclaturas são utilizadas por muitas empresas para definir o nível profissional de seus colaboradores e, assim, oferecer a eles um plano de carreira.
 
Este é um tema cercado por muitas dúvidas, então, para entender melhor, continue acompanhando.
 

O Que Define os Termos Júnior, Pleno e Sênior?

 
Os termos são definidos levando em consideração fatores, como: formação e experiência. Por isso, geralmente os profissionais recém-formados são contratados como Júnior. Nas empresas em que há um plano de carreira, esses jovens entram como trainee e, depois de cerca de 2 anos, podem vir a ocupar um cargo júnior.
 
Júnior: Como disse anteriormente, são profissionais recém-graduados e que possuem até 5 anos de experiência na área. Sua função irá envolver processos mais simples e que não exijam uma vasta experiência, além disso estão sempre acompanhados de um superior que atua orientando e observando seu desempenho.
 
Pleno: Para ser contratado para um cargo pleno é importante ter pelo menos uma pós-graduação e 6 a 9 anos de experiência. O profissional que ocupa um cargo pleno já realiza tarefas mais complexas e toma decisões importante, mas sob supervisão.
 
Sênior: Para ocupar um cargo sênior, o profissional precisa ter a partir de 10 anos de experiência e ser pós-graduado, além de cursos na área de gestão. Ele é o responsável por gerir projetos e outros colaboradores e tem autonomia para agir e tomar decisões.
 
Além desses três níveis, algumas empresas contam com cargos de nível master, que são aqueles que possuem mais de quinze anos de experiência, cursos de pós-graduação e especialização em gestão.
 
Geralmente as empresas utilizam as nomenclaturas dessa forma, mas não é difícil encontrar organizações que criam as suas próprias definições. Não existe um padrão obrigatório, são apenas maneiras de diferenciar os tipos de profissionais dentro de seu quadro de funcionários. A forma como uma empresa vai definir cada cargo irá depender de alguns fatores, como sua cultura organizacional, seu porte, etc.
 
Assim como as responsabilidades aumentam conforme o profissional vai subindo de nível, o salário tende a acompanhar. Por isso, vale a pena ingressar em uma empresa que ofereça um plano de carreira, assim, cabe a você se esforçar para aproveitar ao máximo para adquirir conhecimentos em cada nível e, então, crescer cada vez mais.
 

A Informação é Válida Para Currículo?

 
Profissionais que já ocuparam cargos sênior, por exemplo, têm dúvidas a respeito de colocar ou não essa informação no currículo. Como cada empresa tem uma forma de nomear os cargos, o que é considerado sênior em uma organização pode não ser para outra. Por isso, pode ser que a informação seja irrelevante, salvos os casos em que o profissional é credenciado a alguma instituição que comprove sua denominação.
 
O ideal é colocar a sua formação, suas experiências e descrever a sua função em cada uma delas. Dessa forma, a empresa que está recrutando irá analisar o seu currículo e, então, definir qual a nomenclatura utilizada por ela mais se encaixa no seu perfil. Por isso não faz sentido se autodenominar como pleno e sênior, por exemplo, já que cada organização pode ter uma definição diferente.
 
Sempre que houver uma dúvida sobre colocar ou não alguma informação desse tipo no currículo pense: Tenho como provar que possuo esse título? Se a resposta for sim, então coloque porque irá agregar valor. Caso contrário, será apenas uma informação vaga e que não tem como ser comprovada.
 

Treinamentos Para Plano de Carreira

 
As empresas que contam com um plano de carreira para os seus funcionários costumam oferecer treinamentos para que eles se desenvolvam cada vez mais. Além disso, por meio de cursos oferecidos, as organizações podem acompanhar de forma mais efetiva o desenvolvimento de cada colaborador, o que é muito importante para a subida de nível.
 
Cursos à Distância: Além de práticos, os cursos à distância colocam o aluno como o principal responsável pelo seu desenvolvimento e aprendizado. É uma ótima forma para os gestores observarem o desempenho de seus colaboradores, já que o seu empenho no curso tem total relação com sua atitude dentro da empresa.
 
Coaching: São cursos que ajudam o profissional a evoluir cada vez mais na carreira, ampliar sua visão e se tornar um líder mais eficaz. Uma forma de se preparar para atingir seus objetivos e obter melhores resultados.
 
Cursos de Idiomas: Para alcançar cargos mais altos dentro de uma empresa, é fundamental ter fluência pelo menos em inglês. Além disso, muitas empresas exigem essa qualificação até mesmo para os cargos de trainee e júnior. Por isso, o quanto antes o profissional iniciar um curso de idiomas, melhor será para a sua carreira. Aqueles que já tem fluência podem buscar cursos para aperfeiçoar a pronúncia ou, até mesmo, para aprender novos idiomas.
 
Criar um plano de carreira com cargos júnior, pleno e sênior é trazer benefícios tanto para a empresa quanto para os colaboradores. Ao incentivar o crescimento profissional dos seus funcionários e oferecer treinamentos, seu negócio só tem a ganhar. É um investimento que certamente trará ótimos resultados.