Você pode oferecer benefícios para seus colaboradores e não onerar a empresa como está pensando

Você pode oferecer benefícios para seus colaboradores e não onerar a empresa como está pensando

Além de bons salários e ambiente de trabalho agradável, os colaboradores têm grande apresso pelos benefícios que podem ser ofertados pelas companhias, como vale-refeição, plano de saúde, entre outros. No entanto, é essencial que haja planejamento e organização para que tais benefícios não se tornem um fardo oneroso para a empresa. As duas partes devem ter suas contrapartidas, os funcionários a qualidade e os empregadores excelente relação custo-benefício.

Por Que a Gestão de Benefícios Precisa de Atenção?

A princípio, pode parecer simples oferecer benefícios para funcionários, contudo, não é bem assim quando se coloca na ponta do lápis o pagamento contínuo dos mesmos e a necessidade de controle. Quando a organização não tem pleno conhecimento de que forma seu capital humano está utilizando os benefícios concedidos, pode se deparar com um prejuízo muito grande futuramente.

Outra situação é o desconhecimento da empresa em relação à falta de qualidade dos serviços oferecidos aos funcionários. Como citei no início desse artigo, os benefícios têm grande impacto para boa parte dos profissionais, de maneira que se eles não se mostram satisfatórios podem se tornar um fator de desmotivação. A organização empregadora perde duas vezes, a primeira arcando com serviços ruins e a segunda tendo colaboradores menos produtivos.

Como Oferecer Benefícios Para Funcionários de Qualidade e Sem Oneração Pesada

Abaixo listei algumas dicas imprescindíveis para melhorar o trabalho de gestão de benefícios feito pela sua companhia.

Defina uma Política Clara Sobre os Benefícios

Nos últimos anos, a importância dos benefícios aumentou consideravelmente, haja vista as dificuldades de utilizar serviços públicos, especialmente na área de saúde. Dessa forma, os profissionais almejam ter acesso a benefícios que atendam às suas demandas pessoais. As empresas precisam ter uma política de benefícios clara em que estejam definidas questões como quais as utilidades disponíveis e de que forma estão sendo oferecidas.

Vou usar como exemplo o plano de saúde, o empregado precisa saber, desde o momento da contratação, se o mesmo está num regime de coparticipação, qual o percentual pago pela companhia e qual é descontado do salário, se há cobertura para dependentes, entre outros. O diálogo aberto entre contratante e contratado a respeito dos benefícios contribui para evitar problemas futuros.

Gestão Com Controle dos Benefícios

A forma mais inteligente de evitar que os benefícios se tornem onerosos para as organizações é manter o controle sobre os mesmos, especialmente aqueles que podem gerar custos adicionais. Novamente, usarei como exemplo o plano de saúde, pois ele é o benefício que costuma trazer mais dificuldade para as empresas, porém, também é um dos pilares da satisfação dos funcionários.

Algumas situações passíveis de prejuízo podem ser evitadas apenas com controle do gesto de Recursos Humanos. Primeiro, é essencial que haja uma conversa com os colaboradores a respeito do uso desse benefício, isto é, um trabalho de conscientização que deixe claro que agendar consultas sem motivos reais pode aumentar os custos, se refletindo, inclusive, nos descontos dos próprios funcionários.

Cabe ainda ao gestor ter controle a respeito de mudanças de categoria dos segurados devido à idade, por exemplo. Nesses casos, é necessário repassar parte do reajuste de valor para os colaboradores. Muitas empresas não têm conhecimento dessas mudanças e podem acabar tendo grandes prejuízos.

Otimização do Sistema de Controle

Em muitas empresas, o gestor de recursos humanos é um colaborador atribulado com inúmeras tarefas, sendo uma delas a de efetuar o pagamento de benefícios como o vale-transporte e vale-refeição. Não é incomum que esses funcionários cometam erros no lançamento e a organização viva sempre dias de muita confusão e incerteza quando o pagamento se aproxima.

A forma mais efetiva de resolver essa questão é otimização com softwares que permitam ter controle e realizar as tarefas com assertividade. Atualmente, existe uma série de bons softwares e, até mesmo, empresas terceirizadas que oferecem esse serviço. Para o caso do vale-refeição, é possível assinar um contrato com uma administradora de benefícios que oferece os mesmos por meio de cartão que pode ser usado com facilidade pelos colaboradores e cujo repasse de verbas é mais simples pelo gestor.

Documentação

As organizações precisam manter documentos de comprovação de que estão entregando corretamente os benefícios para funcionários, medidas simples, como assinaturas em comprovantes de recebimento, já evitam uma série de problemas judiciais. Além disso, essa documentação pode ser usada como base para eventuais auditorias em busca dos gaps que estão trazendo prejuízos no que se refere aos benefícios.

Tenha uma Boa Comunicação Com os Funcionários

Por fim, preciso falar a respeito da boa comunicação entre os colaboradores e seus gestores. Sempre que há alguma alteração em contratos de benefícios, como planos de saúde, é necessário dar as informações corretas para os empregados, pois, mesmo que não haja descontos em folha, eles sentirão no dia a dia as alterações. Sabe aquela história de não querer saber das coisas importantes por terceiros? Cabe perfeitamente aqui.

O que você achou das dicas de como administrar corretamente os benefícios concedidos aos funcionários da sua companhia? Deixe seus comentários!

Copyright: 512459743 – https://www.shutterstock.com/pt/g/relif