Saiba mais sobre Grau de Endividamento das empresas

Saiba mais sobre Grau de Endividamento das empresas

O cálculo do grau de endividamento de uma empresa é essencial para que o gestor do empreendimento tenha conhecimento de quanto se está usando de recursos de terceiros para a manutenção da operacionalidade. Nem sempre o administrador consegue ter uma ideia clara de quanto o endividamento está afetando o bom funcionamento da companhia e quando chega o momento de pisar no freio. Nesse ponto o cálculo é essencial para acender o sinal de alerta.

O que é grau de endividamento?

Basicamente se trata do cálculo que permite determinar o quanto se está usando de recursos de terceiros para a manutenção do funcionamento da empresa. Algumas organizações têm dificuldades de cobrir as despesas somente com as suas receitas e passam então a tomar crédito de terceiros. Para que fique mais claro vou dar um exemplo da vida prática.

Alguns indivíduos não conseguem manter em dia as suas despesas somente com o que ganham e então passam a utilizar o cartão de crédito e/ou cheque especial. Com o passar do tempo se não há um controle efetivo isso pode se tornar uma bola de neve. Não é diferente dentro do contexto financeiro de uma empresa, o gestor precisa ter pleno conhecimento de quanto está demandando de crédito externo e reorganizar as finanças.

Como realizar o cálculo de grau de endividamento de uma companhia?

Abaixo, você pode conferir como fazer o cálculo de grau de endividamento identificando se a sua organização tem ou não um problema.

Fórmula do cálculo do grau de endividamento

Para chegar ao resultado do grau de endividamento é necessário considerar a relação entre passivo e ativo da companhia, em outras palavras temos a seguinte fórmula:

Grau de Endividamento = [(Passivo / Ativo)] * 100]

Passivo = Passivo não circulante (aqueles de longo prazo) + Passivo circulante (aqueles de curto prazo).

Ativo = Valor total de ativos.

Dica: ter um contador para te auxiliar é importante, pois as definições de ativo e passivo devem estar plenamente corretas. Somente com dados absolutamente corretos será possível chegar ao resultado assertivo. O cálculo do grau de endividamento não é necessariamente complicado, mas se os dados apresentarem quaisquer discrepâncias com a realidade o resultado fica duramente comprometido. Ativos e passivos devem ser extraídos do balanço patrimonial da organização.

Entendendo o resultado do cálculo do grau de endividamento

A fórmula dará como resultado uma porcentagem haja vista a multiplicação por 100. Ao chegar ao resultado é necessário saber como interpretá-lo corretamente para entender a real situação da sua companhia. Para ser mais simples vou dar como exemplo um cálculo que chegou ao grau de endividamento de 35%.

Basicamente, o que o cálculo está dizendo é que a companhia em questão possui 35% do seu capital financiado externamente por terceiros e 65% financiado pela geração de receitas próprias. Sendo assim o endividamento da organização é de 35%, logo quanto maior o nível de endividamento mais complicada é a situação.

Identifique as fontes de endividamento

Com o resultado de porcentagem em mãos é necessário convertê-lo num quadro palpável em que se entende de onde vêm as dívidas e como reverter uma potencial complicação futura. Como já mencionei algumas companhias enfrentam sérias dificuldades em se manter apenas com as suas receitas geradas de maneira que precisam recorrer a recursos externos.

No entanto, há situações em que o endividamento é decorrente da busca por fontes externas de financiamento. O famoso empréstimo para ampliação do empreendimento, embora seja entendido como um endividamento bom é fundamental ter cuidado também. Determinando o que gera o endividamento fica mais simples estruturar planos para conter o sangramento financeiro.

Dívidas decorrentes de falta de receita

Quando o endividamento está se tornando maior porque a empresa não consegue ganhar o suficiente para manter as suas contas em dia se torna crucial tomar algumas medidas em especial aquelas que se referem à redução de custos.

Faça uma análise completa de onde estão sendo investidos os recursos atualmente e identifique onde contê-los. Geralmente esse tipo de endividamento é consequência de um ritmo de operacionalidade em que não se tem muitos cuidados com o surgimento de novas despesas.

Endividamento para investimentos

Se a sua companhia está passando por um processo de expansão e para isso precisou de créditos externos pode estar dentro do endividamento bom. Nesse caso o mais interessante é ter um planejamento com etapas para a eliminação da dívida. Manter sua organização funcionando em dependência de crédito vindo de fora é realmente algo bastante preocupante e que pode segurar a ampliação da sua atuação no mercado. Endividamento pode representar problemas num futuro bem próximo, jamais se esqueça disso!

Gostou de entender mais sobre o cálculo e avaliação do grau de endividamento? Deixe seus comentários e não deixe de ficar atento ao cenário financeiro da sua empresa!

 

Copyright:286288565 – https://www.shutterstock.com/pt/g/bacho