Características da Teoria da Burocracia

Características da Teoria da Burocracia

Popularizada na década de 1940, a Teoria da Burocracia, de autoria de Max Weber ainda é bastante pertinente atualmente seja para aqueles que apoiam seus pensamentos nela ou para aqueles que a criticam. Trata-se uma resposta às teorias anteriores, com destaque para a Teoria Clássica – apontada como muito mecanicista – e a Teoria das Relações Humanas – indicada como muito ingênua em seu basear nas relações humanas.

O que é a Teoria da Burocracia?

O ponto central da Teoria da Burocracia, formulada por Max Weber, está na eficiência obtida por meio do estabelecimento de estruturas impessoais e completamente formais. Para alguns especialistas é possível identificar raízes burocráticas desde o período da Antiguidade. No entanto, de acordo com o que Weber apregoava essa formulação de burocracia atual se formou em conjunto com as mudanças religiosas pelas quais a sociedade passou.

O momento de nascimento dessa burocratização teria sido a chamada ‘ética protestante’ que declarava a importância de trabalhar com empenho guardar e posteriormente aplicar recursos aumentando assim o seu alcance financeiro. No seu período de desenvolvimento, a Teoria da Burocracia, conseguiu oferecer as bases necessárias para que as companhias daquele momento crescessem com eficácia. Algo que a Teoria das Relações Humanas, sua antecessora, não estava conseguindo fazer provavelmente pela falta de formalidade e autoridade.

Principais características da Teoria da Burocracia

A seguir vou explicar com mais detalhes as principais características que constituem a Teoria da Burocracia de Max Weber.

Força legal

O sistema proposto pela Teoria da Burocracia está centrado no estabelecimento de relações de hierarquia e poder. Alguns indivíduos dentro desse mecanismo estão amparados por normas e regras legais para poder dar ordens aos demais. Os outros funcionários acatam essas ordens por entenderem que faz sentido dentro dos preceitos legais de funcionamento da organização.

A obediência não se deve a figura de uma pessoa em particular, mas sim de toda a estrutura que se tem montada. A legitimação do conjunto de regras que rege a gestão da companhia é bastante semelhante a aquela que se estabelece entre os governos e a população. As leis são aceitas e cumpridas porque existe o sentimento de que são resultantes da cooperação de todos.

Reflexão de vontade política

Ressalto que a Teoria da Burocracia tem ligações mais estreitas com a Sociologia do que com a Administração. Num contexto burocrata as leis são criadas como um reflexo dos desejos do grupo que tem poder político, isto é, aquele que cria as leis. Basta pensarmos novamente na questão governamental, as leis – criadas pelos políticos – são válidas para seus criadores e para a população de maneira geral.

Não se pode aceitar como totalmente impessoal esse processo de criação de normas haja vista que aqueles que as fazem também precisam viver de acordo com seus preceitos. Concluindo as leis se constituem de alguma forma num reflexo da vontade do grupo que detém o poder para ditar as regras.

Burocracia para além da definição pejorativa

Quando alguém fala que determinado sistema é burocrático a tendência é associar com uma sequência de procedimentos desnecessários, acúmulo de funções que travam o andamento do trabalho. Contudo, isso é um defeito do sistema, mas não o sistema em si. A burocracia se estende para além dessa definição de viés pejorativo e isso pode ser devidamente observado na formulação da teoria de Max Weber.

No postulado de Weber a burocracia consiste na observação de detalhes formais com antecedência para organizar os processos evitando assim que aconteçam interferências de cunho pessoal no trâmite como um todo. A existência de procedimentos é fundamental para que as tarefas sejam realizadas conforme o previsto e não se percam no caminho pela ineficiência ou falta de cuidado de um indivíduo.

Documentação dos processos

Um dos sinônimos principais de burocracia é a necessidade de documentação e fundamentação das decisões por escrito. O que não está documentado e apoiado em diversas vias e declarações não se constitui em algo válido. Embora em muitas situações as pessoas se irritem com a existência desses procedimentos é válido reconhecer que eles têm a sua relevância.

Poder consultar documentos por escrito em que estejam expressas as decisões tomadas permite validar o que se está fazendo, ter uma ratificação que somente a palavra dita ao vento não teria.

Hierarquização

Por fim chegamos a uma das características mais destacadas da Teoria da Burocracia que é a divisão categorizada de funções entre os colaboradores. Cada indivíduo da estrutura organizacional possui um cargo e atividades bem definidas respondendo aos funcionários que têm cargos nos níveis superiores ao seu.

Essa divisão muito bem estruturada permite que as equipes funcionem de maneira mais consonante e assertiva. É como um relógio em que cada engrenagem tem uma função, obviamente é necessário que se tenha cuidado para não se perder no caminho e criar uma estrutura inchada e ineficiente.

Gostou de saber mais sobre a Teoria da Burocracia? Compartilhe em suas redes sociais!

 

Copyright:597301991 – https://www.shutterstock.com/pt/g/ivelinradkov