O que caracteriza assédio moral no ambiente empresarial?

O que caracteriza assédio moral no ambiente empresarial?

Assédio moral é algo que deve ser terminantemente evitado, e se acontece na sua empresa, deve ser completamente eliminado, pois esta prática só tende a lhe trazer incontáveis prejuízos e muita, mas muita dor de cabeça. Quis começar este artigo assim, para que você entenda o quão grave e delicado é o assunto que vamos tratar, já que prejudica, não só o empresário ou empreendedor, mas também o colaborador que passa por este tipo de constrangimento dentro do seu ambiente de trabalho.
 
Quando falo em constrangimento, não estou falando de um gestor chamar a atenção de seu subordinado pura e simplesmente. Estou falando de algo que humilha e causa dor e sofrimento psicológico e, até mesmo pode afastar o colaborador de suas atividades profissionais. Diante disso, é fundamental aprofundar os conhecimentos sobre o que é assédio moral, para conseguir identificá-lo e, conforme dito antes, não deixar que esta prática vire rotina dentro de sua empresa.
 
É por isso que vou responder às perguntas que dão título a este texto e esclarecer muitas dúvidas que, tenho certeza, sempre passaram pela sua cabeça e você nunca teve tempo para dar atenção. A hora é agora, confira!
 

O que é assédio moral?

 
Estou tocando em um tema bastante delicado, mas que merece muita atenção, já que a sua prática, apesar dos problemas judiciais que podem causar às empresas, aos empresários e empreendedores, tem sido cada vez mais recorrente nos ambientes organizacionais. Mas para esclarecer de uma vez, o assédio moral acontece quando um ou mais colaboradores são submetidos a situações humilhantes e constrangedoras repetidamente e de forma prolongada no decorrer da jornada de trabalho.
 
Geralmente, ele se caracteriza em relações hierárquicas em que a figura do gestor passa a humilhar e constranger seus colaboradores, repetidas vezes, causando-lhes danos psíquicos, emocionais, entre outros, fazendo com que estes, alcancem um estado emocional tão abalado, que não conseguem exercer suas funções, adoecem e são obrigados a abandonar o emprego.
 

O que, de fato, caracteriza o assédio moral?

 
É importante enfatizar que, nem sempre um caso isolado de constrangimento e humilhação será caracterizado como assédio moral no trabalho. Para que se chegue à conclusão que um colaborador realmente foi ou está sendo assediado, é preciso que a situação ocorra várias vezes; que tenha a intenção de forçar o outro a pedir demissão; que aconteça apenas com uma pessoa da equipe, sendo que as demais são visivelmente privilegiadas; e que as condições de trabalho do empregado sejam completamente degradadas.
 
Atitudes como chamar a atenção do colaborador, de forma humilhante, na frente dos outros, ofender, desmoralizar e degradar a pessoa e o profissional, feedbacks realizados de forma inadequada, ou exigir que o funcionário alcance metas e objetivos completamente inatingíveis; são algumas das situações que podem, facilmente, ser consideradas como assédio moral.
 

As consequências

 
Elas inúmeras e, algumas vezes, podem ser irreversíveis, não só para o empreendedor, mas também para o funcionário submetido a tais atos.
 

Para a empresa

 
Além de gerar um clima organizacional completamente insalubre, em que se torna praticamente impossível exercer as funções esperadas de cada colaborador, o assédio moral no ambiente de trabalho gera: medo; desmotivação; baixo rendimento e produtividade, por parte não só daqueles que são assediados, mas também dos que não o são.
 
Outra grande consequência que o empreendedor que não fiscaliza e permite que esta prática aconteça entre seus funcionários, é o sofrimento de sanções penais, ou seja, o colaborador vítima de assédio moral, mediante provas contundentes, pode entrar com uma ação judicial contra a empresa e solicitar que todos os danos que lhes foram causados, sejam eles físicos, psicológicos ou emocionais, sejam indenizados financeiramente.
 
Com isso, na hipótese de ser dado ganho de causa ao empregado, à organização deve pagar um valor estipulado em juízo, o que pode até mesmo levá-la à falência, a depender da quantia a ser gasta com o processo e indenização.
 

Para o trabalhador

 
Doenças como depressão e ansiedade são as mais comuns entre trabalhadores que sofrem assédio moral. Além disso, é possível observar também dores generalizadas, palpitações, dores de cabeça, pressão alta, distúrbios do sono, irritação, crises de choro, isolamento social, problemas nas relações familiares, sociais, íntimas, síndrome do pânico, estresse e inúmeras outras consequências.
 
Muitas vezes, a dor; o sofrimento e a sensação de impotência diante da situação chegam a ser tamanhas, que muitos indivíduos chegam ao extremo de cometer suicídio, por não conseguirem lidar com o acontecimento. No Japão, por exemplo, existem inúmeros casos de trabalhadores que são obrigados a cumprir jornadas de trabalho desumanas em suas empresas e que levam a desfechos terríveis como este.
 

Como evitar?

 
Acredito que a primeira medida para evitar ou eliminar o assédio moral em sua empresa, é falar abertamente e sem medo sobre a situação. Mostrar as consequências que todos, de forma geral, podem sofrer com situações como essas, faz com que o mal seja cortado na raiz, já que, cada um de seus colaboradores vai pensar duas vezes antes de causar algum mal a outro.
 
Uma ação que pode ser realizada, com frequência são treinamentos sobre o assunto, explicando e esclarecendo do que se trata, de que forma ele se caracteriza no ambiente de trabalho e como pode ser evitado/eliminado por todos dentro da empresa. Estabeleça também um canal aberto e seguro de denúncias, para que o trabalhador que sofrer ou presenciar algum caso de assédio moral possa relatar com detalhes o ocorrido ao departamento de Gestão de Pessoas, por exemplo, e, para que assim, a empresa possa tomar as providências cabíveis diante da situação.
 
Converse, principalmente, com seus gestores, com o intuito de fazê-los entender que este não é o melhor caminho para lidar com os funcionários de suas equipes de trabalho, independentemente das características de cada um, já que todo mundo sai perdendo quando um líder desrespeita seus colaboradores ao invés de motivar e inspirar a equipe.
 
Os danos que o assédio moral causa, algumas vezes, podem ser irreversíveis. É por isso, que para lidar com ele, é preciso ter tolerância zero e não aceitar de forma alguma que ele aconteça. Lembre-se você também de tratar a todos com o respeito que cada um merece, pois você é o gestor máximo da empresa e precisa dar bons exemplos para que todos sigam e repliquem.
 
Agora me conta: o que você achou deste artigo? Já presenciou alguma situação semelhante? Qual foi a sua atitude diante do fato? Deixe o seu comentário, para que possamos trocar experiências, e compartilhe este artigo com seus amigos, para que eles também esclareçam suas dúvidas sobre este assunto.