Como uma empresa deve lidar com colaboradores fumantes?

Como uma empresa deve lidar com colaboradores fumantes?

Algumas pessoas se surpreendem ao se deparar com uma política de “proibido fumar” adotada por diversas empresas e podem questionar o respaldo legal para tal determinação. Em relação a fumar no trabalho, a política adotada pela organização pode ir da permissividade à total proibição. Tudo depende da maneira como a empresa entende que o hábito de fazer intervalos para fumar irá impactar na jornada de trabalho.
 

Proibido Fumar! Por Que as Empresas Podem Proibir?

 
A primeira questão que entra em pauta é que por lei não é permitido fumar no local de trabalho e em nenhum outro ambiente fechado. Dessa forma, o funcionário que faz pausas para fumar precisa se ausentar da sua mesa e ir até um ambiente externo. Funcionários que não são fumantes podem se sentir lesados por esse comportamento, haja vista que eles não farão essas pausas ou os seus intervalos para o cafezinho serão menores.
 
O tempo de deslocamento e de fumo efetivo é um tempo que está sendo pago pela empresa para que o funcionário produza, logo, se ele não está trabalhando, recebe parte do pagamento por algo que não está fazendo. Essa é a lógica que permite que as empresas proíbam o fumo no trabalho. Existe, ainda, a questão de que a política permissiva em relação ao tabaco pode afetar a imagem da empresa.
 
A gigante do setor de produtos de higiene e saúde, Johnson & Johnson, proibiu completamente o cigarro em suas dependências por compreender que o tabaco é contrário à sua missão e valores. Contudo, boa parte das empresas prefere investir num melhor relacionamento com os seus funcionários e, por isso, aposta em políticas para os fumantes.
 

Políticas Para Fumar no Trabalho Sem Prejudicar o Rendimento

 
Intervalos são previstos pela legislação de trabalho, assim como são incluídos na rotina de empresas, observando o bom-senso e a qualidade de trabalho dos colaboradores. Para que os funcionários não-fumantes não se sintam lesados, as empresas podem apostar na criação de intervalos de 10 a 15 minutos para todos. Aqueles que desejam fumar podem ir até um ambiente adequado para essa função, enquanto os demais podem tomar um café ou apenas conversar.
 

Fumódromos

 
A partir do momento em que a empresa permitir ao funcionário fumar no trabalho, precisa ter um espaço adequado para essa atividade. Os fumódromos em salas fechadas estão proibidos em alguns lugares do Brasil como São Paulo, por exemplo. Muitos estudos apontam que a fumaça do cigarro não tem como ser escoada em salas sem ventilação. Dessa forma, o que resta é oferecer aos fumantes um fumódromo em ambientes externos.
 
Cabe à empresa oferecer a segurança de que a fumaça do cigarro dos fumantes não irá incomodar os não-fumantes. Existe a possibilidade de demissão por justa causa de funcionários que fumem em ambientes fechados da empresa (atitude contra a lei), assim como pode suscitar o pedido de indenização por não-fumantes que se sintam num ambiente insalubre. Então, muita atenção ao estabelecimento e cumprimento das regras a respeito de fumar no trabalho!
 

Campanha Antitabagismo

 
As empresas podem promover campanhas internas que visem incentivar seus funcionários a deixar o cigarro, desde que as mesmas não gerem segregação e nem constrangimentos para aqueles que fumam. Algumas empresas, visando a saúde de seus colaboradores e a redução das pausas para o cigarro, têm oferecido acompanhamento médico para que os colaboradores possam tratar o tabagismo.
 

Como Estabelecer a Política do Fumo Zero no Trabalho

 
Se a sua empresa prefere que o ambiente de trabalho esteja completamente livre do tabaco, podem ser tomadas algumas medidas com o objetivo de ser mais efetivo nessa resolução. Para começar, é importante escolher uma pessoa respeitada por todos os setores para ser o líder da empreitada de implementar o fumo zero.
 
Esse é um trabalho coletivo que exigirá o comprometimento de todos e que será melhor sucedido, ao passo que contar com pessoas de diferentes departamentos. O passo seguinte é realizar um estudo de caso na empresa para verificar quantas pessoas são fumantes e quanto o tabaco está presente na vida delas para conseguir reduzir o fumo a zero no trabalho.
 
Vale lembrar que o tabagismo está ligado a diversas questões químicas, de maneira que não basta simplesmente que o funcionário decida passar 8 horas sem fumar, o seu corpo precisa se acostumar e colaborar com a resolução. Sendo assim, a empresa deve criar um cronograma de implementação da política tabaco zero e dar aos funcionários algum tempo para se acostumar.
 

A Empresa Deve Ouvir os Funcionários

 
Independente de seguir a política de proibido fumar ou de oferecer alguma permissividade, a empresa deve ouvir o feedback dos seus funcionários, os fumantes e os não-fumantes. Entender de que maneira cada grupo está observando efetividade nas medidas e como elas estão afetando o rendimento. O tabaco ainda é um dos grandes fatores de risco de uma série de doenças e a causa de inúmeras controvérsias no ambiente de trabalho.
 
Gostou das dicas sobre a política de fumar no local de trabalho? Então aproveite e compartilhe com os seus amigos empresários!