Plano de demissão voluntária - Entenda seu funcionamento

Plano de demissão voluntária - Entenda seu funcionamento

Em meio a um cenário de crise, muitas empresas buscam formas de cortar custos e, assim, conseguir passar pela fase turbulenta. Uma das medidas que podem ser tomadas é o chamado Plano de Demissão Voluntária, ou PDV, em que os funcionários se oferecem para serem demitidos. Para saber mais sobre o assunto e entender como isso funciona, continue acompanhando o artigo.
 

O Que é o Plano de Demissão Voluntária?

 
Bastante utilizado nos anos 90, durante o período de adequação e abertura de mercado, e também nos dias atuais, o Plano de Demissão Voluntária oferece aos funcionários que queiram sair da empresa a oportunidade de tornar isso realidade e receber alguns benefícios em troca. Os benefícios são os já conhecidos em demissões convencionais, como: aviso-prévio, salário, férias, décimo terceiro, FGTS e multa rescisória. Porém, a empresa deve oferecer outras vantagens, que costumam ser: um salário por ano trabalhado, pagamentos de previdência privada, plano de saúde durante determinado período após a rescisão, entre outras.
 
O plano é indicado para empresas que estejam realmente passando por uma situação financeira delicada ou que queiram reduzir o seu quadro de funcionários para cortar custos. Entretanto, é fundamental que seja uma decisão muito bem pensada, para que realmente traga algum benefício ou ajude a aliviar as contas em um momento difícil. Também não se pode deixar de pensar nos aspectos legais do plano, que devem ser seguidos à risca para evitar multas e punições.
 

Quando é Interessante Se Voluntariar Para Ser Demitido?

 
Agora, irei falar da demissão voluntária do ponto de vista do trabalhador. Sempre que uma empresa lança um programa como esse, muitos ficam indecisos se devem aceitar ou não. É importante deixar claro que cada situação deve ser analisada de forma particular e não dá para dizer se é sempre indicado aceitar ou recusar. Alguns pontos que devem ser considerados:
 
• A situação do mercado em relação à empregos na área de atuação do trabalhador.
 
• Se a empresa está passando por uma situação delicada e prestes a decretar falência.
 
• A idade também deve ser considerada, já que profissionais mais maduros costumam ter maior dificuldade para se recolocar no mercado de trabalho.
 
• Se o profissional é quem sustenta a família ou existem outros membros que trabalham.
 
• A situação financeira da pessoa, se ela tem reservas, além do que irá receber da empresa, para se manter durante o período que estiver sem um trabalho.
 
• Se o funcionário está insatisfeito com o seu trabalho e já tinha planos de mudar de emprego.
 
Esses são os principais pontos que devem ser considerados na hora de decidir se oferecer em um plano de demissão voluntária. É fundamental analisar cada um deles, buscar aconselhamento com pessoas mais experientes, falar com os supervisores e, com calma, tomar a decisão mais acertada. Obviamente, não há garantias de que aceitar ou não será o melhor, porém, ao pensar com cautela os riscos se tornam menores.
 

Medidas Que a Empresa Deve Tomar Para Estruturar um Plano de Demissão Voluntária

 
Ao decidir que o plano de demissão voluntária é a melhor saída, uma empresa precisa tomar algumas medidas legais antes de comunicar os funcionários. São elas:
 
• Ter uma justificativa para a decisão de recorrer ao plano para reduzir o quadro de funcionários.
 
• Oferecer total liberdade para os funcionários que decidam aderir ou não ao programa.
 
• Descrever de forma clara todos os benefícios que serão concedidos aos que se voluntariarem.
 
• Oferecer condições iguais a todos os funcionários, sem qualquer tipo de discriminação.
 
• Envolver todas as partes que têm ligação jurídica com o emprego, o que pode incluir sindicatos, por exemplo.
 

Benefícios do Programa de Demissão Voluntária Para as Empresas

 
Para uma empresa que esteja realmente precisando reduzir os seus custos, o programa de demissão voluntária pode oferecer uma série de vantagens. São elas:
 
• Evitar insatisfação entre funcionários, já que é dado a eles a oportunidade de decidirem se querem ou não serem demitidos.
 
• Poder entrar previamente em acordo com o governo, funcionários e sindicato.
 
• Não ter a imagem prejudicada junto à sociedade, pois estará demonstrando que se preocupa com os seus colaboradores.
 
• Ter a chance de reestruturar a sua equipe e cortar custos sem prejudicar alguém que não queira perder o emprego.
 
• Redução nos riscos de sofrer ações trabalhistas.
 
Vale ressaltar que é uma decisão que deve ser muito bem pensada, não apenas por parte dos colaboradores, mas também pela empresa, pois há o risco de perder os seus maiores talentos, profissionais que realmente fazem a diferença. Além disso, com menos colaboradores há o risco de acontecer um acúmulo de funções e, com isso, criar um clima de desmotivação e descontentamento, o que irá prejudicar, e muito, a produtividade da organização.
 
Você já realizou um programa de demissão voluntária na sua empresa ou já saiu de um emprego dessa forma? Conte-me nos comentários quais acredita que sejam os pontos positivos e negativos para empresas e profissionais.