As pequenas e médias empresas também precisam definir sua cultura organizacional. Leia o release e entenda as razões!

As pequenas e médias empresas também precisam definir sua cultura organizacional. Leia o release e entenda as razões!

São Paulo, 2017 – Todos os funcionários e stakeholders de sua empresa conhecem o real propósito da organização, sua razão de existir? Essa resposta vai depender completamente do grau de maturidade com que o tema “Cultura” é trabalhado dentro da companhia. Tida por muitos empreendedores, como algo secundário ou mesmo irrelevante, a efetiva definição da Missão, da Visão e dos Valores da empresa está posicionada no centro dessa equação. Normalmente, em empresas maiores e mais maduras, essas informações são amplamente disseminadas e incorporadas ao dia a dia das equipes de trabalho. Muitos empreendedores que estão iniciando suas trajetórias agora subestimam esse tema, o que é um erro.

Segundo Marcus Marques, especialista em gestão e aceleração empresarial, quando uma empresa define suas diretrizes empresariais, seu propósito e valores, e os comunica com qualidade, permite que todos os seus funcionários compartilhem de algo maior do que suas atividades cotidianas. “É fundamental deixar claro porque aquela empresa existe e quais são: a sua missão, visão e valores. Muito empreendedor acha que isso é coisa de empresa grande ou, pior, que é algo ultrapassado e que não funciona, mas a verdade é que essa definição é muito importante para que a cultura organizacional comece a ser implantada e trabalhada”, destaca ele.

A Importância da Cultura Organizacional e seus Benefícios

 

Naturalmente, este é o primeiro passo, de muitos outros, que pode (e deve) ser dado nesta caminhada rumo ao estabelecimento de uma cultura organizacional mais forte e funcional. Confira agora quatro dicas para trabalhar esse tema com excelência, de acordo com Marcus Marques.

Defina (e coloque em prática!) a Missão, Visão e Valores-

 

Na prática, esse é o ponto de partida para você planejar negócios diferenciados, atrair colaboradores engajados e se orgulhar de seu trabalho. É claro, no entanto, que essas declarações não podem ser feitas apenas para preencher o site institucional da organização ou para decorar a parede da recepção. É preciso construir em conjunto, com todo o time, para que todos remem na mesma direção. “Todas as empresas devem investir algum tempo para definir isso, principalmente as pequenas ou que estão nascendo agora, porque define a direção estratégica da empresa, da integração das operações à estratégia da companhia e da motivação da equipe”.

Intraempreendedorismo na veia –

 

Quando todos os membros da equipe estão na mesma página, fica muito mais fácil criar uma cultura empreendedora, em que cada funcionário, independentemente de seu cargo ou nível hierárquico na prática, está comprometido com o sucesso (leia-se: lucro) da empresa. “Vale lembrar que não é preciso ser dono de uma empresa para ter espírito empreendedor e estar comprometido com o sucesso do negócio”, salienta Marcus Marques.

Incentivo à inovação –

 

Empresas com culturas fortes e vencedoras estimulam uma atmosfera de criatividade e inovação, dando voz a todos os funcionários que buscam compartilhar suas ideias. Além disso, tais companhias abraçam o erro e o enxergam como oportunidades de aprendizado e aprimoramento. “Ouvir todas as ideias, além de trazer possíveis ganhos com os próprios insights da equipe, faz com que todos se sintam parte de um propósito maior”.

Desenvolva novos líderes –

 

Trabalhar cultura é um ciclo sem fim, que deve ser fomentado todos os dias na organização. Por isso, o RH e toda a liderança empresarial devem estar sempre orientados para a identificação e desenvolvimento de novos líderes, que serão os disseminadores dos valores e propósito da companhia nos anos seguintes. “A sustentabilidade desse trabalho de cultura organizacional, e até das empresas em si, depende da criação de um ambiente de desenvolvimento contínuo, em que novos líderes vão aparecendo naturalmente”, diz o especialista.

Sobre Marcus Marques

 

Empreendedor e Empresário, publicitário com pós-graduação em Gestão de Pessoas, Psicologia Positiva e Coaching e MBA em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas – FGV e pela Ohio University. Possui formação e certificação multidisciplinar em PNL, Liderança, Marketing Digital, Empreendedorismo, Modelo de Gestão Disney, Perfis Comportamentais (DISC), Andragogia e Treinamento Comportamental. É mentor e coach de donos de pequenas e médias empresas e diretor-executivo do Instituto Brasileiro de Coaching – IBC, a maior empresa de Coaching & Desenvolvimento Humano do Brasil.

Contato para Entrevistas – Conexus | Content, PR & Social Media

Daniel Consanidaniel.consani@conexus.com.br

Karin Dallekarin.dalle@conexus.com.br