Você Sabe Calcular os Custos de Cada Funcionário de Sua Empresa?

Quando falamos de gestão estratégica de uma empresa, um dos aspectos mais cruciais e complexos é a gestão de pessoal. Uma fatia significativa dos recursos de uma organização é despendida na manutenção de seus funcionários. No entanto, o custo real de um funcionário para a empresa vai muito além do seu salário base. Ele pode chegar a ser até três vezes o valor do salário, devido a diversos encargos e benefícios que devem ser considerados.

1. Entendendo o Verdadeiro Custo de um Funcionário

Segundo pesquisas realizadas pela Fundação Getúlio Vargas e pela Confederação Nacional das Indústrias, o custo efetivo de um funcionário para a empresa pode chegar a até 3 vezes o valor do salário pago ao trabalhador. Isto é, o custo do empregado pode variar conforme o sindicato de classe, o regime de apuração da Empresa e o ramo de atividade.

Para estimar o custo total de um funcionário, é necessário considerar a soma das verbas trabalhistas, tais como:

  • 13º salário
  • Adicional de férias
  • Vale alimentação e transporte
  • Contribuições sociais como o INSS
  • Indenizações em caso de demissão

Também devem ser contabilizados os impostos e encargos previstos em lei.

2. Considerações sobre a CLT e Benefícios

No Brasil, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) regula os direitos dos trabalhadores contratados sob esse regime, incluindo direitos como:

  • Férias
  • 13° salário
  • Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS)

Além disso, existem os chamados encargos sociais, que a empresa paga para órgãos diversos. Eles variam conforme o regime tributário adotado pelo empreendimento.

3. Benefícios Opcionais Relevantes

Alguns benefícios como vale-refeição e vale-alimentação são opcionais e definidos de acordo com a categoria do trabalhador, muitas vezes determinados por convenção coletiva. Outros benefícios como plano de saúde, plano odontológico, auxílio-creche também podem ser oferecidos pela empresa.

4. Como Calcular o Custo de um Funcionário

Para entender quanto custa um funcionário para a empresa, é necessário levar em consideração as taxas e valores que devem ser pagos, que são estipulados de acordo com o regime tributário que a empresa segue.

4.1. Custo em Diferentes Regimes Tributários

4.1.1. Simples Nacional

Muito utilizado entre as micro e pequenas empresas, este regime conta com alíquotas mais brandas e isenta as empresas de pagarem os encargos referentes ao INSS patronal, salário educação, seguro acidente de trabalho (SAT) e contribuições ao SEBRAE, SENAI, SESI ou Incra.

4.1.2. Lucro Real ou Presumido

Neste regime, além dos encargos assumidos no Simples Nacional, são acrescentadas outras taxas:

  • 20% de INSS (contribuição patronal)
  • De 1% a 3% de seguro de acidente de trabalho
  • 2,5% de salário educação
  • 20% correspondente ao descanso semanal remunerado
  • 8,33% correspondem ao 13º salário
  • 3,3% para o “Sistema S” (SEBRAE, SENAI ou SESI)
  • 11,11% correspondente às férias, levando em conta um salário por ano somado de 1/3 de abono.

5. Tipos Diferentes de Contratação de Funcionários

5.1. Diferença entre CLT e PJ

Com a CLT, o funcionário tem direito a benefícios concedidos por lei. Logo, para ele, costuma ser mais vantajoso, mesmo que isso implique em uma rotina de horários mais rígida, incluindo a necessidade de dar pausa para o almoço.

No formato PJ, o empregador pode repassar o dinheiro que seria gasto com os encargos diretamente para o funcionário. Além de ter a possibilidade de receber mais, o trabalhador tem flexibilidade de horários, já que não está fixo às horas exigidas por lei.

6. A Reforma Trabalhista e suas Implicações

A Reforma Trabalhista — Lei nº 13.647/2017 trouxe mudanças significativas relacionadas ao custo de um trabalhador para a empresa. Ela introduziu novas modalidades de contratação, como a jornada de trabalho parcial e intermitente, o trabalho remoto (home office) e a remuneração por meio de jornada ou diária.

7. Modalidades de Contratação

7.1. Contrato Intermitente

Nesse modelo de contratação, o trabalhador é remunerado conforme as suas horas de trabalho efetivamente prestadas para a empresa.

7.2. Home Office

No contrato do tipo home office, os custos equivalentes à estrutura do trabalho e demais despesas ficam a cargo da empresa.

7.3. Profissional Autônomo

É possível que uma empresa contrate os serviços de um empregado autônomo de maneira exclusiva, sem que isso seja considerado um vínculo empregatício.

8. Encargos Sociais

Ao contratar um novo membro para a equipe, a empresa deve assumir 37% do valor do salário líquido com os encargos sociais.

9. Custos com Crescimento do Funcionário

Além dos custos diretos, a empresa deve considerar os custos relacionados ao crescimento do funcionário, como gastos com capacitação, workshops, treinamentos e benefícios para atrair e reter talentos.

10. Calculando o Custo Final de um Funcionário

Para calcular o quanto custa um funcionário para a empresa, é necessário considerar os valores combinados na contratação, como salário e benefícios como vale-transporte ou auxílio-alimentação, e também os valores que devem ser pagos sobre os tributos para o governo.

11. Apoio Tecnológico na Gestão de Custos

As ferramentas certas ajudam a diminuir as atividades manuais, diminuindo a chance de erros e aumentando a eficiência do time. Um software de gestão pode ajudar a controlar o fluxo de caixa e monitorar os custos de mão de obra com uma precisão muito maior.

12. Retorno sobre o Investimento (ROI)

Agora que você sabe quanto custa um colaborador para a empresa, é hora de melhorar o ROI com contratações de qualidade. Com um processo seletivo mais ágil e certeiro, a empresa tem grandes chances de aumentar o ROI do capital humano a cada contratação de forma organizada e estratégica.

Entender o custo de um funcionário para a empresa é fundamental para a gestão financeira e o crescimento sustentável do negócio. Seja através da otimização de custos com pessoal ou através da contratação estratégica de talentos, o objetivo final deve ser sempre a melhoria do desempenho e a maximização do ROI.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros Artigos

Marcus Marques

Empresário e Empreendedor
Marcus Marques é mentor e referência em gestão para pequenas e médias empresas. É sócio diretor do Instituto Brasileiro de Coaching - IBC*, empresa líder de mercado construída junto com seu Pai (José Roberto Marques) que tem mais de 500 colaboradores.Seu conteúdo é recomendado pela Exame.com e foi eleito em 2016 Empreendedor do Ano com o #PJB Prêmio Jovem Brasileiro. Com base em sua formação e experiência prática, criou a metodologia Acelerador Empresarial, onde mais de 1.000 empresas já participaram de seus programasQuer conhecer os resultados e o perfil completo? Veja tudo sobre o Marcus aqui.

CONTATE-ME

TERMOS E CONDIÇÕES | POLÍTICA DE PRIVACIDADE

© 2018 MARCUS MARQUES. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

CNPJ:25.048.157/0001-18 – MARCUS MARQUES INSIGHTS LTDA

AL MARACANA – 1029 CEP: 74.674-150 – QUADRA119 LOTE 21 CASA 02 SALA 01