Qual o papel de uma empresa Júnior?

Qual o papel de uma empresa Júnior?

O conceito de empresa júnior foi desenvolvido na França no ano de 1967 e tem como objetivo realizar estudos e enquetes no mercado empresarial. A partir de 1969, as empresas juniores chegaram a outros países, como Estados Unidos, Espanha e Brasil. Atualmente, o MEJ (Movimento Empresa Júnior) é uma das principais alavancas para que os estudantes universitários brasileiros se preparem para se tornar empreendedores e profissionais mais bem qualificados.
 

O Que é o MEJ (Movimento Empresa Júnior)?

 
A empresa júnior tem caráter de associação civil sem fins lucrativos, cujo objetivo é oferecer experiências profissionais e empreendedoras para estudantes do ensino superior. Uma empresa júnior presta serviços e desenvolve projetos para clientes, que podem ser outras empresas ou membros sociedade de uma forma geral. O desenvolvimento do trabalho acontece sob a supervisão de professores e profissionais da área.
 
Os estudantes que participam do MEJ têm a oportunidade de vivenciar na prática o dia a dia da área profissional em que irão atuar depois de formados. Conhecer os principais desafios de gestão e desenvolvimento de projetos é uma forma de contar com melhores profissionais e habilitar mais empreendedores. A missão do Movimento Empresa Júnior diz respeito a mais do que capacitar graduandos para atuar profissionalmente, mas também objetivar a formação de uma sociedade com melhores profissionais, empresas e empreendedores.
 

Surgimento e Funcionamento de Uma Empresa Júnior

 
Como disse no começo do artigo, o conceito de empresa júnior nasceu em 1967 na Escola Superior de Ciências Econômicas e Comerciais da França. Os alunos da instituição tinham como objetivo obter conhecimentos além da teoria, pois entendiam que necessitavam de alguma prática de mercado para se tornarem mais bem qualificados. Basicamente, os graduandos se organizaram numa associação em que atenderiam clientes reais adquirindo, assim, experiência.
 
O funcionamento de uma empresa júnior se dá através da apresentação de ideias e realização de projetos pelos graduandos que fazem parte da mesma. Os estudantes ainda assumem as responsabilidades de gestão, pois trata-se de uma empresa que possui as mesmas necessidades de uma organização real. O grande ganho que os estudantes têm ao participar de um projeto como esse é adquirir experiência de mercado e vivenciar a prática profissional antes de se formar.
 
Além do dia a dia a frente da empresa júnior, os estudantes que fazem parte da mesma têm excelentes oportunidades de realizar networking e trocar experiências nos encontros estaduais e nacionais que são realizados pela Confederação Brasileira de Empresas Juniores, que é o órgão que representa e observa o trabalho desenvolvido pelas associações estudantis.
 

Quem Pode Integrar uma Empresa Júnior?

 
De acordo com o Conceito Nacional de Empresas Juniores (CNEJ), podem integrar uma empresa júnior estudantes que estejam devidamente matriculados em cursos de graduação em instituições de ensino superior. Os integrantes têm como objetivo central realizar projetos e oferecer serviços para clientes reais para adquirir experiência profissional.
 
Algo importante a respeito das empresas júnior, é que elas devem estar obrigatoriamente ligadas a pelo menos um curso de graduação. Vale dizer que uma mesma empresa pode contar com estudantes oriundos de diferentes cursos da instituição a que está vinculada.
 

Valores Cobrados Pelos Serviços

 
O Movimento Empresa Júnior estabelece que essa associação não pode ter fins lucrativos, de maneira que os valores cobrados pelos serviços são mais baixos do que de uma empresa constituída no mercado. Todo o dinheiro obtido deve ser reinvestido na mesma, em pontos como a melhoria de suas instalações e na capacitação de seus membros.
 

Como Formar uma Empresa Júnior?

 
Os estudantes de graduação que tenham interesse em formar uma empresa júnior devem procurar por outros alunos da mesma instituição de ensino que tenham esse desejo. O passo seguinte é, em conjunto, definir quais são as atividades que a nova organização poderá realizar.
 
Para elaboração dessa espécie de plano de negócios, os interessados devem pensar a respeito do grande leque de atividades que será explorado; análise da concorrência, incorporando os principais acertos e eliminando os erros mais recorrentes; desenvolvimento de métodos próprios.
 
Tendo uma proposta bem fundamentada, é necessário que o grupo de estudantes faça contato com a instituição de ensino para que seja possível conseguir um espaço físico para o dia a dia de trabalho, bem como regularizar a empresa júnior. Por meio da universidade será possível conhecer com mais detalhes os procedimentos. Aconselho que verifique se a instituição de ensino já possui empresa júnior ligada a sua área de estudo.
 

Empresa Júnior ou Estágio?

 
Alguns estudantes se sentem desmotivados diante do fato de que não serão remunerados para realizar as suas funções na empresa júnior. No entanto, não se deve focar apenas nessa questão quando o que está em jogo é a qualificação profissional. Comparativamente, uma empresa júnior oferece melhores oportunidades de aprendizado do que alguns estágios realizados durante a graduação. Vale a pena pesar essas questões antes de fazer a sua escolha.
 
Compartilhe com seus colegas as informações a respeito da formação de uma empresa júnior e fomente mais oportunidades de crescimento profissional!